Remédios: O que são Taenia saginata e Taenia solium

Posted on

A cisticercose humana é uma verminose em que o ser humano está na posição de hospedeiro intermediário.

O parasita pode viver muitos anos em seu hospedeiro sem lhe causar grandes malefícios, ou seja, sem prejudicar suas funções vitais. Em alguns casos, os próprios parasitas podem converter-se em hospedeiro de uma terceira espécie, que se conhece como hiperparasita. São exemplos desse tipo de parasito as pulgas, os piolhos e os mosquitos.O ciclo vital de um organismo parasito pode se desenrolar em um ou mais hospedeiros. Quando o ciclo evolutivo abrange mais de um hospedeiro, o parasito é denominado heteróxeno. Para se instalar e desenvolver no hospedeiro, o parasito deve vencer as dificuldades que lhe são impostas pelos mecanismos de defesa. O sistema imunológico Outros mecanismos protetores A pele, as mucosas, as conjuntivas e suas secreções podem constituir barreiras à penetração de parasitos. A fecundação dos parasitas ocorre no intestino delgado do hospedeiro e a fêmea coloca uma grande quantidade de ovos que serão posteriormente eliminados nas fezes. A transmissão e a manutenção de uma doença na população humana são resultantes do processo interativo entre o agente, o meio ambiente e o hospedeiro humano. O hospedeiro também constitui o habitat do parasita.

As complicações da teníase ocasionada pelos parasitas Taenia solium e Taenia saginata.

  • Divisão binária: a célula-mãe se divide e origina duas células-filhas;
  • Divisão múltipla: a célula faz muitas mitoses, forma muitos núcleos que se dividem em células pequenas.

Como exemplo, a Taenia solium que causa a teníase e vive no intestino humano na fase adulta, parasita o porco na sua fase larval.

Na infecção, ocorre a invasão e colonização do organismo hospedeiro por parasitas internos, como helmintos (Taenia saginata) e protozoários (Giárdia, Tripanossomo). Hospedeiro: Em uma cadeia de transmissão, o hospedeiro pode ser o homem ou um animal, sempre exposto ao parasito ou ao vetor transmissor. Mas o parasita pode, também, causar a morte do hospedeiro: é o caso de diversos vírus patogênicos e do capitalismo. Parasitas são organismos que vivem em associação com outros organismos dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro, um processo conhecido por parasitismo. Ciclo de vida (exemplo: Schistosoma Mansoni) Os trematódeos adultos (fêmeas) produzem ovos que são colocados no hospedeiro definitivo (homem). Estas podem sair do caramujo (hospedeiro intermediário) e penetrar na pele humana, atingindo a corrente sanguínea e o sistema hepático, aonde vão se desenvolver até a fase adulta e sexuada. Como já dito, os trofozoítos não sobrevivem muito tempo longe do corpo do hospedeiro, sendo que os cistos são a principal forma de contaminação e disseminação do parasita. As 3 principais propriedades do parasitismo são: Visão Ecológica O hospedeiro passa a ser o habitat e não simplesmente o alimento. Os parasitas podem ser classificados da seguinte forma: - Parasitas Completos: vivem no hospedeiro durante a vida toda.

O que são Taenia saginata e Taenia solium

  • Parasitas obrigatórios: Dependem completamente do hospedeiro para sobreviver (ex.: Toxoplasma gondii);
  • Parasitas facultativos: Não dependem completamente do hospedeiro para sobreviver (ex: Naegleria)

Os parasitas heteroxenos têm mais de um hospedeiro em seu ciclo de vida.

Esses parasitas, dependendo do hospedeiro, podem se reproduzir de forma assexuada ou sexuada. parasito absorve nutrientes ou mesmo sangue do hospedeiro, podem deixar pontos Esta é a doença mais grave entre as duas e é causada somente pela Taenia solium, podendo atacar músculos, olhos e o cérebro, gerando convulsões, dores ou até morte. PARASITO ACIDENTAL: é o que parasita outro hospedeiro que não o seu normal. Os Parasitas Parasitas facultativostêm vida livre, mas podem se tornar parasitas Parasitas obrigatórios Parasitas estenoxenos atingem apenas uma espécie de hospedeiro Parasitas eurixenos ocorrem em diversas espécies de hospedeiros 16 Distribuição de parasitismo em vários grupos de animais Nem sempre a presença de um parasito em um hospedeiro indica que está havendo ação patogência do mesmo. Vetor: É qualquer ser vivo que pode transmitir o parasita para um hospedeiro Agente etiológico: É o agente causador ou responsável pela origem da doença. Quando o parasita passa a habitar no interior do hospedeiro definitivo, ele pode se fixar no fígado, na vesícula, no intestino ou bexiga do homem, causando, desta forma, vários danos. O corpo hospedeiro é o “habitat normal” do parasita, pois serve tanto de abrigo quanto como alimento.

  • Na verdade tende ao equilíbrio…
  • Alterações ambientais, Concentrações populacionais, baixas condições de higiene e alimentares
  • Multiplicação do parasita ou vetor.
  • A presença do parasita sempre desencadeia a doença?

Parasito Obrigatório: é o parasita que não consegue viver fora do hospedeiro, por exemplo o vírus.

Parasito Acidental: são parasitas que acidentalmente vive em um hospedeiro que não é usual, por exemplo: parasita Dipylidium caninum. Ação Mecânica: os parasitas podem interferir o fluxo alimentar e a absorção de alimentos do hospedeiro. Ação Traumática: são lesões provocadas pelos parasitas no corpo do hospedeiro, geralmente por vermes, formas larvárias e protozoários. Hospedeiro Definitivo: quando o parasita está abrigado em sua forma adulta ou em fase reprodutiva, onde ocorre reprodução sexuada. Os parasitas precisam se dispersar no ambiente para trocar de hospedeiro, e isso eles fazem através de ciclos de vida, alguns até muito complexos. O equilíbrio entre as populações de parasitas e hospedeiros depende da virulência do parasita e do sistema imune do hospedeiro. As transformações morfológicas do parasita, sempre relacionadas às suas condições de vida no hospedeiro, oferecem um dos mais importantes aspectos do parasitismo. Muitos executam essa tarefa através de complexos ciclos de vida, os quais normalmente envolvem mais de um hospedeiro ou formas de resistência que passa pelo ambiente externo. Por outro lado, no ciclo polixeno os parasitos são adaptados a utilizar mais de uma espécie como hospedeiro. A esse sistema devem-se alguns dos principais mecanismos com que o organismo hospedeiro resiste ao parasitismo. OUTROS MECANISMOS PROTETORES A pele, as mucosas, as conjuntivas e suas secreções podem constituir barreiras à penetração de parasitos. Também, a falta de meca-nismos para a eclosão dos cistos e ovos; ou a falta de receptores celulares para a aderência e invasão dos tecidos do hospedeiro. O mesmo acontece com numerosos outros parasitos do homem e animais como por exemplo: as Taenias que necessitam de um ou mais de um hospedeiro para sua existência. Teníase: é causada pelo verme do gênero Taenia, popularmente chamado de solitária, por geralmente ser encontrado sozinho no intestino de seu hospedeiro. Pesquisadores brasileiros constataram que o material genético do parasita causador da doença de Chagas pode ser transferido para o genoma do hospedeiro. Porém, há outros parasitas, chamados heteroxênicos (heteróxenos) que precisam de mais de um hospedeiro para completarem seus ciclos de vida.